Novas Barbies, mesmo sonho

Uma das notícias da semana que passou foi o anúncio dos novos modelos de Barbie. A Mattel, que amarga queda na venda das bonecas, decidiu mais uma vez se renovar e lançar a boneca em três tamanhos: alta, curvilínea e pequena. Ela também vem em diferentes etnias, da clássica loira à oriental, passando por negra, com cabelo azul e por aí vai…

 

novas barbies

 

A estratégia para alavancar as vendas tem tudo a ver com a ideia que a Barbie prega desde sua primeira boneca, lá na década de 1950: que você pode ser o que quiser. Muita gente levantou bandeiras de que a Barbie pregava o culto à beleza irreal e ao consumismo. Não tiro a razão de ninguém, afinal as pessoas tem motivos para achar isso, mas sou uma grande defensora do caráter sonhador da Barbie. Ela era o meu brinquedo favorito na infância (já contei essa história aqui. Se você não lembra ou não viu, é só clicar) e eu ainda mantenho duas bonecas no meu quarto. Assisti a Barbie ir para o espaço em Barbie e Os Roqueiros centenas de vezes.

 

Sobre ser fã de Barbie no começo dos anos 1990, com um pé nos 1980; essa música vai ficar na sua cabeça, já aviso

A Barbie de fato permitia que fosse você quem você quisesse ser. Essa foi a ideia original de Ruth Handler, criadora da boneca e uma das fundadoras da Mattel, em uma época em que só existiam bonecas bebê, afinal mulher nascia para ser mãe, cuidar da casa e ponto final. As bonecas adultas foram um escândalo na época (“que mãe compraria uma boneca com seios?!”), mas também um grande sucesso: agora as meninas podiam sonhar em ser mães (quem lembra da Barbie grávida?), mas também em ter uma profissão.

O problema é que, quando a gente cresce, muitas vezes esquecemos de que realmente podemos ser o que quisermos. Afinal, é mais fácil criar uma história para uma boneca do que ter coragem para criar a sua própria história. Com a renovação, a Barbie mais uma vez enfatiza que qualquer pessoa pode seguir o seu sonho. Basta não ter medo de mudar.

IMG_4919

Não sei vocês, mas a minha Barbie sempre teve a minha cara… Ok, eu tive Barbies loiras também

P.S.: vocês já seguem a Barbie no Instagram? Façam isso, por favor

Crônica fashion: Barbie, o brinquedo favorito

Hoje é dia das Crianças, eeeee!

É, só que eu estou passando longe de ser criança…pelo menos de acordo com a minha certidão de nascimento. E depois de alguns anos de vida você olha para trás e vê o que realmente marcou sua infância. Quando sua mãe quer que você separe os brinquedos para doar no Natal, você jura de pés juntos que brinca com todos e ama todos igualmente. Mas sempre é mentira. E eu também mentia, pois eu tinha meu brinquedo favorito: a Barbie.

As pessoas que trabalham com o marketing da Mattel são muito espertas, pois não só criaram o slogan perfeito como um slogan que é a mais pura verdade de quem brinca de Barbie: “seja o que você quiser”. A Barbie podia ser tudo: médica, professora, secretária, veterinária, atendente de lanchonete, jornalista (eu tenho essa!), bailarina (eu tenho essa também!)…quando pequena eu tinha até uma Barbie que fazia as vezes de Ken, pois como um único Ken iria namorar todas as minhas Barbies?

E a Barbie evoluiu junto com suas crianças. Mudou de rosto, de corpo, mas continua podendo ser o que você quiser que ela seja. Basta trocar suas roupas e acessórios. E quantos acessórios tem a Barbie! Eu lembro de usar a lavanderia inteira para montar a casa da minha Barbie, com quarto, cozinha, sala e tudo mais.

 

Sim, sou eu…rs

E aí você me diz: Carol, esse é um blog de moda, não é só porque é dia das crianças que você pode ficar falando o que quiser. Olha, eu até posso, mas você há de concordar comigo que a Barbie é um símbolo fashion. A boneca já tem mais de 50 anos de sucesso no mundo (ela passou a ser vendida no Brasil em 1982, importada pela Estrela) e seu grande diferencial era ser a boneca de realização dos sonhos. Antes dela, só haviam as bonecas bebê: Barbie era a boneca moça, adulta, que despertava em nós o nosso lado mulher. E esse lado tinha tudo a ver com aquelas roupas que as “meninas mais velhas” ou nossas mães e tias podiam usar e a gente não. Com a Barbie, nós podíamos tudo! Fora que, até hoje, toda estação são lançadas novas coleções de roupinhas para a boneca; semelhante ao mundo real, não?

Que nesse dia das Crianças todos nós, não somente as meninas, alimentemos nosso lado Barbie, afinal, podemos sim ser o que quisermos. Basta querer brincar um pouco 🙂

(sim, eu preciso compartilhar essa música e deixá-la na cabeça de todos vocês…hahaha)

Ken versus seu namorado

Comemore o aniversário do (cinquentão!) ex-namorado da Barbie e siga as dicas para fazer seu namorado se vestir melhor

E ontem foi aniversário do Ken! O boneco começou a ser vendido em 11 de março de 1961. Com apenas 3.50 dólares, sua Barbie não estaria mais sozinha, teria um companheiro a sua altura. Apesar de terem sido criados um para o outro, Barbie e Ken se separaram em 2004. E desde então o galã insiste em reconquistar a amada. Se nas telonas, no filme Toy Story 3, o charme de Ken venceu, na “vida real” ainda não foi bem assim. O boneco chegou a criar um Facebook para coletar sugestões de como fazer a amada voltar em sete dias de conquista.

Barbie trocou Ken por um surfista bem mais novo. Já você pode estar pensando em trocar seu namorado por uma coisa que Ken tem de sobra: estilo. Chegar para um primeiro encontro com camisa de time de futebol, calça de moletom velha e tênis encardido pode fazer o príncipe virar sapo em um minuto. Se você gosta mesmo dele, siga as dicas da escritora Drica Pinotti para ajudar seu amor a se vestir melhor (sem ele perceber que você está fazendo isso, claro).

1. Proponha ir encontrá-lo em sua casa antes de saírem. Quando o moço estiver se arrumando, dê algumas indiretas do tipo “você fica tão bem com essa camisa” ou “essa bermuda ficaria mais bacana com aquela camiseta”. Coisinhas assim ajudam.

2. Vá fazer compras com ele. Assim você vai descobrir que tipo de roupas ele gosta, variações das roupas que ele gosta que poderiam cair melhor e as medidas dele, para presenteá-lo com novas peças.

3. Se ele usa meia preta com tênis branco, é um caso perdido.

4. NUNCA, JAMAIS, EM HIPÓTESE ALGUMA esnobe o gato pelo jeito que ele se veste. Ele pode não ter bom gosto mas tem sentimentos ok? Como você se sentiria se o cara que você está a fim fizesse o mesmo com você?!

Aos poucos todo mundo vai perceber sua boa influência no estilo do moço, e você terá um namorado bem mais elegante, e que sabe o que fica bem nele. Claro, sempre é bom tomar cuidado para ele não acabar desse jeito:

Em homenagem ao seu aniversário, Ken ganhou uma exposição na loja francesa Collete. Tem bonecos, roupas (para Ken e para homens de verdade) e até uma roupinha de bebê, para futuros Kens. Vale a pena dar uma olhada no site – http://www.colette.fr/#/a/4/news/946/ken/

Camiseta que faz parte da exposição na Collete…e está a venda! rs

 

Dúvidas? Sugestões? Críticas? Comente!

P.S.: meu digníssimo namorado, Rafael Balago, não tem problema nenhum para se vestir. Isso desde antes de começarmos a namorar. In fact, eu que dei uma bela melhorada no meu estilo quando começamos a ficar juntos, o que torna ele a boa influência aqui. Morram de inveja!