Reflexões sobre moda, blog e coturnos plataforma 

Este blog nasceu como um blog de moda. O objetivo era falar sobre tendências e, mais importante, sobre como trazê-las da passarela para o seu guarda-roupa. A ideia ainda é essa, porém, com o passar dos anos (e o AT está prestes a completar 6!), resolvi diversificar os assuntos que escrevo por aqui.

Falo bastante dos universos dos livros e do cinema de animação, que sempre fizeram parte da minha vida. Tem dias em que falo de música, maquiagem ou do que está passando na TV. Em outros, falo de coisas que aconteceram comigo ou que eu li em algum lugar.

Só que no final das contas tudo isso continua tendo a ver com moda.

Os anos podem ter se passado e eu sou uma pessoa bem diferente do que eu era seis anos atrás. Você, querido leitor, provavelmente também mudou ao longo desse período. Contudo, existe um pensamento que ainda se mantem em mim: o de que a moda está em todo lugar. É sério, basta prestar atenção.



A moda está por perto quando você acorda e pensa que roupa vai vestir. Tem dias que serão tranquilos no trabalho e looks mais confortáveis são mais toleráveis #tksGod . Outros são cheios de reuniões e pedem algo mais “arrumadinho”. Ou talvez você tenha uma roupa de trabalho: um uniforme, uma roupa social… O fim de semana pede outras reflexões; o look do piquenique no parque não é o mesmo da tarde no shopping com as amigas e também é diferente do que você usa para encontrar o namorado (ou aquele que você gostaria que fosse o namorado).

Quando era mais nova assistia desenhos animados enquanto fazia roupas para minhas bonecas na Maquinhinha de Tricô (quem lembra?).



Adolescente, gostava de coordenar cores nos looks (ainda faço isso um pouco), usava calça cargo com a listra da calcinha aparecendo (ah, os anos 90/2000…) e coturno com plataforma (Spice Up Your Life!)

 
Rihanna também melhorou…




Agora adulta sou refém dos looks girlie (amo um vestido ou uma saia). Acho que um batom colorido muda o meu dia. Descobri o tom de ruivo que mais combina comigo – aliás, deixei o cabelo crescer e estou com os fios mais longos do que nunca.

O que quero dizer com isso? Que você amadurece e seu estilo amadurece junto. Que tudo o que você viveu e vive vira referência de moda; você talvez só não perceba isso de maneira tão óbvia. Vale o exercício de prestar atenção.

A moda está no cinema, na rua, na música, no programa de TV, na literatura, na história, no ônibus e aqui no querido blog, além de tantos outros espalhados nesse mundão que é a internet. Aliás, a web está realmente cheia de opções com dicas para você aprender a usar tal roupa, ou tal tendência, ou aquela maquiagem.

Como se diferenciar nesse mar de opções? Ainda estou buscando uma resposta para essa questão, e acredito que muitas blogueiras também pensam nisso antes de dormir. Sim, são seis anos de blog e eu ainda tenho dúvidas se esse é o caminho certo, mas só vou descobrir se continuar caminhando. Você vem comigo? Prometo não usar mais a calcinha aparecendo com calça baixa (sobre coturnos plataforma preciso pensar mais um pouco…).

Moda escrita nas estrelas 

Você pode acreditar, não acreditar ou achar uma profunda bobagem, mas com certeza você já leu algo sobre o seu signo. Se você gosta de astrologia, “ascendente”, “Lua em Escorpião” ou “Mercúrio retrógrado” fazem sentido para você. O que talvez você não saiba é que os astros estão na moda – mesmo.
2015 não foi um ano fácil para a maioria das pessoas, seja na vida pessoal, na profissional ou, especialmente, na vida financeira. Também não foi um ano bom para o mundo da moda, que, assim como outras indústrias, demitiu pessoas, precisou cortar gastos e não sabia mais no que confiar. Foi nessa hora que algumas marcas resolveram olhar para o céu.

Lá fora, nas semanas de moda internacionais, quem deixou isso mais claro foram Louis Vuitton e Emilio Pucci. A primeira trouxe os astros para os acessórios, com brincos/ear cuffs inspiradas nos 12 signos do zodíaco. Já a Pucci trouxe para a passarela de Outono/Invernos looks inspirados nos astros – terá sido algum movimento de Marte que fez Peter Dundas deixar a grife pouco tempo após essa apretsentação, classificada por muitos crítcos como a melhor em sua carreira na Pucci?
  
  
Os brincos da LV e um dos looks zodiacais de Pucci

No Brasil temos Patrícia Vieira, que nunca escondeu seu apreço pelo universo astrológico. Na última edição do SPFW, ela se inspirou no deserto do Atacama, apresentando-o quase como um local místico. Já Lilly Sarti também caminhou pelo esoterismo, trazendo referências que, além da astrologia, passaram pelo por yin e yang, Egito Antigo e a cruz de Ansata.

  
  
São Paulo Astrological Week com Patrícia Vieira e Lilly Sarti

E então você me pergunta: qual é o seu ascendente, Carol?
Mentira, não é isso que você me pergunta. Você pergunta: ok, isso é na passarela. Na vida real, #comofaz? Simples: coloque no seu guarda-roupa estampas de estrela ou galáxia, pingentes inspirados nos signos ou elementos cósmicos e cores que remetam aos quatro elementos (Fogo, Terra, Ar e Água). Mesmo que você não acredite em nada disso, conseguirá montar um look divertido e inspirador; um look que talvez faça você pensar mais sobre você mesmo.

  
Tem mais um monte de looks para se inspirar lá no Pinterest; vem dar uma olhada!

Vai embarcar no mundo dos astros? Acredita nas previsões do seu signo para 2016? Não? Comente!

Crônica fashion: biblioteca, hemeroteca, ‘revistoteca’

Domingo, além de ser dia de Crônica Fashion, é dia de…de…faxina, claro! É aquele único dia em que a gente para em casa, olha ao redor e percebe que está dormindo no olho do furacão, tamanha a bagunça que se instalou no seu quarto. Ou seja, é hora de colocar aquela roupa confortável, prender o cabelo em um rabo de cavalo alto e colocar as mãos a obra!

E se tem uma coisa que eu não consigo ver desorganizada por muito tempo é a minha biblioteca. Ou melhor, meu projeto de biblioteca, que consiste em algumas prateleiras dentro do meu quarto mesmo. Tenho uma história com cada livro guardado aqui e, sério, não consigo me desapegar. Quando estava na primeira série do ensino fundamental, cada aluno ganhou um livro. O meu se chamava A menina da garrafa verde. Ou melhor, ainda se chama pois ele continua em exibição na minha prateleira. E em perfeito estado, viu?

foto (7)

 

‘A menina da garrafa verde’, um dos meus primeiros livros, com uma parte da biblioteca e a minha coleção de Elle’s, abaixo

Só que como se não bastasse eu ser a louca dos livros (principalmente dos livros de moda), também sou a louca das revistas. Assino cinco revistas, mas compro MUITAS outras ao longo do mês. E também tenho sérios problemas para me desapegar delas também. Principalmente das gringas. Ah, fala sério né: pagar R$ 30 em uma revista para jogar fora? Ou guardar de qualquer jeito? Ou recortar?!

Não que eu nunca tenha recortado uma revista. Aliás, já recortei várias, pois considerando a quantidade de revistas que eu consumo mensalmente, já teria ocupado minha casa inteira com elas há pelo menos dois anos atrás. Para evitar que isso aconteça, mantenho uma pequena hemeroteca, uma coleção de notícias de jornais e revistas recortadas guardadas em pastas. Sabe quando a gente é adolescente e “faz pasta” do artista que a gente gosta? Pois é, é isso, só que como se eu fosse muito fã da moda.

foto (9)

 

Minhas pastas de notícias exibindo algumas musas: Audrey Hepburn, Kate Middleton e Regina Guerreiro

Agora, com tudo organizado e no lugar, posso descansar com a certeza de que, quando me der um branco de ideias para escrever aqui ou no trabalho, posso recorrer aos meus arquivos! E isso me faz mais feliz do que um sapato novo, com toda a certeza!

foto (8)

Não reparem nas tomadas e nos fios bizarros; o importante é a coleção de livros de moda – e mais Elle’s! – arrumadinha 🙂